Pessoa serta no lugar serto???

Tempo de leitura: 5 minutos

Descubra como obter o melhor das pessoas

O erro de grafia do título é proposital e chama a atenção para um desafio que ocorre em praticamente todas as empresas: Como saber se este empregado está no lugar certo? Existe a pessoa certa para um lugar certo ou isso é bobagem?

Quando se contrata um empregado normalmente se descreve que características pessoais e profissionais exigem um determinado posto de trabalho: escolaridade, experiência anterior, referências e características pessoais.

Por exemplo: se vou contratar um vendedor, além de identificar o nível de instrução, de saber se o candidato teve alguma experiência de venda, de obter referências em empresas anteriores, é muito importante verificar se o candidato leva jeito para aquele tipo de venda.

E aí entram em cena instrumentos como o Indicador de Tipos Psicológicos

Livro

Em 1921 Carl G. Jung, um renomado psicólogo suíço, escreveu o livro Tipos Psicológicos, que tem servido como base para muito estudos e trabalhos que procuram identificar traços comuns de personalidade.Um estudo subsequente foi o das americanas Catharine e Isabel Briggs Myers, mãe e filha, que na década de 1950 desenvolverem um Instrumento para aplicar os conceitos de Jung e que ficou mundialmente conhecido como MBTI (Myers Briggs Type Indicator).

Você pode estar pensando: “Isso é coisa de psicólogo”…

Pois bem. Inúmeras empresas, de nível internacional, utilizam este tipo de recurso.

Lembro que trabalhando na Petrobrás, numa ocasião, encontrei um executivo de alto nível, que tinha acabado de voltar de um curso do Insead, que fica na França, e cujo MBA é considerado um dos melhores do mundo para desenvolvimento de executivos.

Ele me disse: “Marcio, você conhece o MBTI?” um pouco sem jeito eu respondi: “Não”. Então ele falou: “Pois tem que conhecer; é um instrumento muito bom para autoconhecimento”. Ele me explicou que a primeira coisa que fazem nessa escola é o teste do MBTI, e aí todos os alunos andam com uma etiqueta colada no peito, com as quatro letras correspondentes ao seu tipo, o que possibilita o conhecimento recíproco e facilita a interação.

Eu que trabalhava em RH fiquei curioso; inscrevi-me num curso de formação e fui certificado para utilizar esse instrumento. Isso faz uns doze anos e assim pude aplicar o teste em centenas de pessoas, comprovar sua eficácia e importância.

Há algum tempo atrás, eu estava na Petrobras Biocombustíveis, e fui à Belém para realizar um workshop dos Tipos Psicológicos (MBTI) com cerca de 20 colegas que trabalhavam num projeto agrícola. Conversando depois com uma médica ela me disse: “Marcio, agora eu me entendo. Depois de tantos anos pude saber que eu não sou uma E.T., e isto me deu um outro sentido de vida”.

Testemunhos como este são muito gratificantes. Mostram como esse conhecimento abre muitas possibilidades para o desenvolvimento, adaptação profissional e crescimento pessoal.

Eu mesmo quando conheci esse instrumento pude compreender porque eu era tão diferente de outras pessoas e isto foi um grande alívio. Lembro-me que eu trabalhava no RH e tinha um relacionamento complicado com um colega. Fora do trabalho nosso relacionamento era normal, mas em se tratando de trabalho éramos como os polos norte e sul. Um falava uma coisa e o outro discordava radicalmente. Chegou um momento que estava ficando insuportável. Aí tive uma ideia: Abri o jogo com ele, mostrei como nossas diferenças de personalidade estavam travando nossa atuação como equipe. Fiz-lhe uma proposta: “O que você faz bem eu tenho dificuldade de fazer e naquilo que eu sou bom você tem dificuldades; porque não nos unimos para fazer a diferença? Ele concordou.

Foi lançado um desafio para se criar um stand comemorativo numa semana de aniversário da empresa. Trocamos nossas ideias e nos lançamos para criar o stand.

Posto

O resultado foi tão bom que depois do evento nosso gerente fez uma reunião com todo o RH e deu para mim e para esse colega um relógio de qualidade, como prêmio pela nossa contribuição. Para mim foi uma demonstração clara de que quando se conhecem os potenciais de cada um e se consegue transformar barreiras em pontes podem-se alcançar resultados surpreendentes.

E quais são as possibilidades de sucesso de uma pessoa ocupar um posto de trabalho?

Voltando ao exemplo do vendedor, sabe-se que o ocupante do posto tem que ser simpático, boa habilidade de comunicação e persuasão e persistência para visitar seus clientes e fechar vendas, num nível esperado pela organização. Podem ocorrer as seguintes situações:

  1. O candidato se enquadra no nível esperado. Isso é tudo de bom. Ele tem uma grande chance de se dar bem e de estar fazendo o que gosta. Só que esse ajustamento não é assim tão comum.
  2. O candidato se enquadra parcialmente ao requerido. Nessa situação, talvez com algum treinamento, orientação e acompanhamento, e com esforço pessoal o empregado poderá atingir suas metas em nível satisfatório.
  3. O candidato se enquadra pouco ao que se espera para o cargo. Mesmo com acompanhamento, treinamento e com esforço pessoal o resultado do seu trabalho ficará aquém das metas estabelecidas. Esse empregado poderá se manter por um período na função, mas a um custo emocional elevado e seus resultados provavelmente não irão passar de razoáveis. Ou seja, compensa o desgaste emocional e o esforço requerido para realizar as vendas? Só ele poderá dizer, mas provavelmente seu responsável chegará à conclusão de que não fizeram a melhor escolha.

E como situações desse tipo podem ser evitadas? Realizando um bom processo seletivo e utilizando-se um instrumento para conhecimento da personalidade.

O indicador de Tipos Psicológicos é um instrumento que identifica com um índice muito grande de acerto quais são as características de personalidade do candidato ou do empregado, no caso de já estar na equipe, e suas chances de sucesso em realizar determinado trabalho.

Gostou? Então, caso queira obter maiores informações ou obter o seu relatório completo, que inclui também sugestões de carreira, não hesite em nos contatar.

Ou ainda, visite nosso site, faça seu teste gratuitamente e receba um relatório que dá uma amostra do potencial desse instrumento.

Sobre Marcio Campos Ferreira

Marcio Campos Ferreira

Mestre em Gestão Empresarial pela EBAPE/FGV; 10 anos de experiência na aplicação do Indicador de Tipos Psicológicos (MBTI); 35 anos de Petrobras, ocupando funções gerenciais e como consultor em RH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *