Melhorar resultados – com este chefe?

Tempo de leitura: 2 minutos

Como ter um bom ambiente de trabalho com um chefe que se descontrola?

Chefe gritando

Quantas vezes um dirigente ou gestor acaba se tornando um problema para a sua equipe, seja por atitudes não coerentes, falta de habilidade em gestão e liderança, insegurança pessoal, etc.

Vamos deixar claro: “O gestor não é um super-homem”. Justamente por isso é muito importante o autoconhecimento; conhecer seus pontos fortes e suas limitações, desenvolver habilidades e ter a humildade de solicitar ajuda quando necessário. Um gestor não nasce chefe ou líder; justamente por isso precisa aprender práticas de gestão e de liderança que o habilitem nessa importante e difícil tarefa.

Dou um exemplo pessoal. Durante cinco anos ocupei uma função gerencial na área de infraestrutura: era responsável pelas áreas de limpeza, manutenção predial, ar condicionado, cafezinho, etc… Como eu conheço bem o meu tipo psicológico, sabia que teria dificuldades nessa atividade, porque sou um tipo mais reflexivo, introvertido, intuitivo, etc. Uma atividade empenhativa e de exposição como essa era um desafio grande para mim, mas aceitei o desafio.

Procurei então montar e preparar uma equipe que me ajudasse na condução e no controle dos processos e que estivesse preparada para dar o primeiro atendimento para reclamações ou solicitações; eu me guardava para a solução de problemas mais complexos, atender à administração, etc. Dessa forma, eu evitava me estressar mais que o normal para este tipo de atividade.

Em outras palavras: o gestor tem que buscar o autoconhecimento, saber seus pontos fortes e fracos e preparar uma boa equipe de trabalho, que possa atender bem clientes e processos, e superar, inclusive, suas limitações.

 Humildade – é uma palavra chave para qualquer gestor. Ninguém sabe tudo ou é superior aos seus colaboradores. Todos têm a sua importância e o gestor tem que saber e valorizar isso.

Espero que este artigo tenha deixado claro para dirigentes e gestores: “Vocês são os principais responsáveis pela gestão dos processos e das equipes, e pelos resultados de curto e de longo prazo alcançados pela organização”.

Sobre Marcio Antonio Ferreira

Marcio Antonio Ferreira

Mestre em Gestão Empresarial pela EBAPE/FGV; 10 anos de experiência na aplicação do Indicador de Tipos Psicológicos (MBTI); 35 anos de Petrobras, ocupando funções gerenciais e como consultor em RH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *